quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

O tempo da União europeia está a esgotar-se?

Segundo alguns historiadores ou pseudoprofetas catastrofistas, o fim dos tempos estará próximo, isto, de acordo com a interpretação livre do calendário da civilização Maia.


“O calendário Maia acaba em 2012 e uma estranha série de previsões de eventos terríveis (colisão de meteoros e planetas com a Terra, fenómenos “paranormais” sobre o fim do mundo em 2012, aliados a problemas reais de conservação do nosso planeta como o efeito de estufa) parecem convergir para uma presumível destruição da humanidade no ano que se aproxima. “

Penso que o único terramoto que poderá ocorrer de características “apocalípticas” é o fim da União Europeia, tal como a conhecemos.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Renas em greve

As renas revoltaram-se contra o despotismo e autoritarismo do pai natal, já não se usa trabalhar 24 horas seguidas, ainda por cima, na noite da Consoada.


Sobre algumas renas, nascidas em solo pátrio, paira de novo o estigma da emigração, ainda assim, desejo BOAS FESTAS a todos!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Tostão furado

"Caixa, Santander Totta, BES, BPI, Espírito Santo Financial Group, BCP, Montepio e Banif foram alvo de ‘downgrade’ pela Moody’s.




"O corte no ‘rating' dos oitos bancos reflecte a fraca capacidade do Governo em ajudar os seus bancos", explicou Maria-Jose Mori, analista da Moody's que acompanha a banca portuguesa.



O ‘downgrade' na banca vem por arrasto do corte de ontem em dois níveis do ‘rating' atribuído pela Moody's à República Portuguesa, de ‘Aa2' para ‘A1'.



O impacto não foi, contudo, idêntico para todos os bancos. Caixa, Santander Tottal, BES, BPI e Espírito Santo Financial Group viram a sua classificação de dívida cair em um nível. Já o BCP, o Montepio e o Banif sofreram um ‘donwgrade' de dois níveis.



Os cortes menos acentuados nas classificações do Totta, do BES e do BPI são justificados pelo seu ‘rating' mais elevado e pela flexibilidade financeira intrínseca destes bancos.



BES, Espírito Santo Financial Group, BPI, BCP e Banif, continuam com outlook negativo, o que indicia a possibilidade de novo corte de 'rating' nos próximos 12 meses.



O ‘rating' influencia directamente o custo de financiamento das empresas e dos próprios estados, pelo que este ‘downgrade' poderá dificultar ainda mais o acesso ao crédito por parte dos bancos."

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Caricatura de Alfredo Marceneiro

Numa altura em que o nosso fado foi classificado património imaterial da humanidade, vem a propósito homenagear essa figura incontornável e castiça do fado e da vida boémia lisboeta de outros tempos.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Manoel de Oliveira faz 103 anos

São poucos, aqueles, que em termos de idade, ultrapassam os dois dígitos. São ainda mais raros os que ultrapassando um século de vida, apresentam a clarividência; a fluência de ideias e o discurso, do multipremiado cineasta português. A caricatura que aqui apresento é uma espécie de versão melhorada, de uma outra, realizada há três anos.


Longa vida ao mestre!

sábado, 10 de dezembro de 2011

Direitos Humanos

A FecoPortugal – Associação de Cartoonistas e a Amnistia Internacional – Portugal são co-organizadoras de uma exposição internacional de cartoon, que tem por tema e título: DIREITOS HUMANOS.




Esta iniciativa pretende assinalar os 50 anos de Amnistia Internacional no mundo e 30 anos de Amnistia Internacional em Portugal.
  O "cartoon" que encima este "Post" é a minha participação no evento em causa e foi publicado recentemente na revista da Amnistia Internacional.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

O beijo da cimeira dos bruxos de Bruxelas



Esta montagem que pode ser chamada, O beijo dos namorados da cimeira de Bruxelas, onde os bruxos e as bruxas vão decidir das nossas vidas, é baseada numa das mais famosas fotografias de um beijo do mundo.




A foto, tirada com uma Leica, é do francês Robert Doisneau. O casal de namorados: Françoise Bornet e Jacques Carteaud.



Doisneau estava na Praça do Hotel de Ville, em Paris, em 1950, procurando... material para um trabalho sobre os namorados da cidade, encomendado pela revista norte-americana America's Life.



Ao avistar o dito casal, que passeava com ar romântico, Doisneau pediu-lhes uma pose apaixonada: os dois  beijaram-se e Doisneau ficou famoso para sempre.



Em 2005, Françoise Bornet, então com 75 anos, levou a  leilão um dos originais da fotografia: um milionário suíço  arrematou-a por 155 mil euros.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

A censura ataca de novo, mas é travada



"O tribunal Judicial do Funchal absolveu Eduardo Welsh do crime de difamação por abuso de liberdade de imprensa, de que era acusado pelo Ministério Público, por ter publicado uma fotomontagem do presidente do governo regional da Madeira, Alberto João Jardim, com as vestes de Hitler, na capa do quinzenário “Garajau”, de que era director.



A sentença lida pelo juiz Jorge Alexandre da Silva, considerou improcedente a acusação do MP e absolveu também o acusado do pedido de indemnização civil de 5.000 euros que tinha sido formulado por Jardim.



O juiz citou jurisprudência do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH) na interpretação extensiva do direito constitucional de liberdade de expressão quando tal direito 'colide' com o também constitucional direito à honra, ao bom nome e à imagem.



E concluiu que a personalidade de Jardim não tinha sido atingida com a caricatura que visava criticar seus actos de “intolerância” e “incitamento `a violência”, com a sua recorrente linguagem "subliminarmente agressiva" contra os adversários políticos.

Neste processo Jardim foi condenado no pagamento da taxa de justiça (510 euros)."

29.11.2011 - 17:52 Por Tolentino de Nóbrega

sábado, 12 de novembro de 2011

Caricatura de Steve Jobs

O erro Crato


O nosso Ministro da Educação, referiu um destes dias, que quer reduzir novamente o currículo do Ensino Básico, às áreas disciplinares essenciais. Como é que alguém, sendo ministro, ou não, pode arvorar e decidir salomonicamente, quais são as áreas do conhecimento essenciais, assim, de uma forma pragmática, desprovida de estudos consistentes e de debate público?




A sangria, ao que parece, vai começar novamente pelo ensino artístico de base, com a redução da carga horária de disciplinas como Educação Visual e a eliminação de um dos elementos do par pedagógico de EVT ( Educação Visual e Tecnológica).

Há uns anos a esta parte, decretaram já uma espécie de morte lenta à disciplina de Educação Visual, que possui atualmente uma carga horária de 90 minutos, muito pouco tempo, para uma disciplina de carácter eminentemente prático.

A referida disciplina já é de matricula opcional no nono ano de escolaridade.

Como docente desta disciplina, tenho vivido situações, não raras vezes bizarras.

O ano lectivo transacto estive um mês sem leccionar uma turma, não por ter faltado às actividades letivas, mas porque o horário da mesma, coincidiu com feriados nacionais, uma greve e visitas de estudo.

O ensino artístico de base, ao que parece, não é essencial. Isto é no mínimo estranho, numa sociedade em que quase tudo aquilo que utilizamos é previamente pensado em termos de imagem, ergonomia e de adequação da forma à função.

Tendo como certo e adquirido este pressuposto, o ensino artístico de base não foi essencial, para pessoas como Vieira da Silva, Amadeo de Souza Cardoso, Paula Rego, Álvaro Siza Vieira, Souto Moura, entre muitos outros, que têm dignificado incomensuravelmente o prestigio do país dentro e fora de portas.



Tolher e menosprezar o ensino artístico de base, ao que parece, é uma intenção, pois não será essencial.

A intenção existe

A intenção é triste

A intenção é Crato

domingo, 2 de outubro de 2011

Vamos poupar dinheiro poupando água e recursos hídricos











 Trabalhos e reportagem da exposição patente no Cascais shopping "O humor e a água, uma iniciativa SMAS Sintra, tendo como produção Humorgrafe, da responsabilidade de Osvaldo Macedo de Sousa.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Dia nacional da água- Exposição de "cartoons"



Dia Nacional da Água

"A água é o princípio de todas as coisas." (Tales de Mileto)
Com o objectivo de promover a reflexão sobre a importância dos recursos hídricos e consciencializar a população quanto à necessidade de os usar de forma sustentável, foi criado, em 1983, o Dia Nacional da Água. Em Sintra, esta efeméride celebra-se com várias actividades - na vertente ambiental, cultural e lúdico-recreativo - de forma a promover a adopção de comportamentos responsáveis no que diz respeito ao consumo de água. A sua protecção, como se pode constatar no art. 5.º da Declaração dos Direitos da Água, "constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras".

1 a 9 de Outubro

Exposição de cartoons no Cascaishopping. Uma produção Humorgrafe, da responsabilidade de Osvaldo Macedo de Sousa. Participe!

Exposição de cartoons, promovida pelos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra. Esta mostra subordinada ao tema «O Humor e a Água», abordará, com muito humor, entre diversos temas, o abastecimento de água, o saneamento, a poupança de água, as secas, os custos e os recursos hídricos. No dia 1 de Outubro, às 15h00, vamos ter a abertura da exposição.



Cartoonistas

ÁLVARO Santos
BANDEIRA, José
BRUNO TAVEIRA
HERMÍNIO FELIZARDO

JOSÉ SANTOS
LUCA
MONGINHO, José
PAULO SERRA
PAULO PINTO
PER

PEDRO MANAÇAS
PEDRO MORAIS
RICARDO GALVÃO
RUI Pimentel

SANTIAGU
T’ONHO
VARELA, Onofre
ZÉ MANEL
ZÉ OLIVEIRA

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Associativismo entre artistas gráficos



Este ano o Festival de Banda Desenhada da Amadora é dedicado ao Humor. Na área do Cartoon, cujo comissário da exposição é Osvaldo macedo de Sousa, a temática tem a ver com o associativismo dos artistas gráficos. Enviei alguns trabalhos para este certame. Os trabalhos que encimam este "post" Ficaram na gaveta, mas quis mostrá-los aqui.


terça-feira, 23 de agosto de 2011

Outro tirano ao tapete?



Muitas vezes o Mundo Ocidental faz vista grossa a estes tiranos que se perpetuam no poder até não porem demasiado em causa os interesses, não raras vezes, económicos do mundo em que vivemos.


As instâncias do poder mundial vão assobiando para o lado, enquanto os mesmos não fizerem muitas ondas e não minarem excessivamente, as bases dos interesses instalados. Muita vitimas depois, os ditadores caem de podre de uma árvore já manchada de muito sangue inocente.